MATURIDADE E ESCOLHA PROFISSIONAL
VOCÊ TEM CLAREZA DE PROPÓSITOS EM SEU CAMINHAR?
COMO ESCOLHER DIANTE DE TANTAS PROFISSÕES?

DÚVIDAS DO SER

Perguntas frequentemente permeiam a vida dos indivíduos em diferentes fases do desenvolvimento humano. Inquietam e ao mesmo tempo nos fazem evoluir.

Um das perguntas que nos rodeia desde a infância é: O que você vai ser quando crescer? Se revisitarmos as brincadeiras, grupos de convivência, professores, gostos, preferências e atividades, durante esta fase de nossas vidas perceberemos que mesmo inconscientes, as nossas escolhas profissionais podem estar relacionadas a esses temas.

As possibilidades de escolhas durante a nossa vida são inúmeras e quando chega o momento de decidir o futuro profissional precisamos fazer um mergulho para dentro de nós mesmos para encontrarmos aquilo que faz realmente sentido na nossa existência. E esse questionamento não ocorre uma vez só vez na vida. Ele pode aparecer mais forte durante a adolescência, mas pode ocorrer em outros momentos de nossas vidas.

Qual o caminho a seguir? Frente à imensidão de possibilidades profissionais e cursos ofertados, torna-se cada vez mais difícil decidir ou buscar novas possibilidades profissionais.

Para facilitar o momento de (re) escolha da profissão, o processo de Orientação Profissional surge como um uma ferramenta facilitadora nesta busca. É um trabalho de pesquisa interna, subjetiva, que procura promover o autoconhecimento e deve caminhar de mãos dadas com o trabalho de pesquisa da realidade objetiva.

Um dos projetos aqui oferecidos foi criado pelas idealizadoras deste site e denominado de “Projeto terapêutico vocacional” e visa a uxiliar o jovem a entrar em contato com os aspectos relacionados à sua vocação, com seu chamado interno mais genuíno e ser um coparticipante em seu processo de autoconhecimento e de escolha profissional, além de alinhar o seu projeto de vida pessoal ao projeto de vida profissional.

SOBRE TESTES VOCACIONAIS

Existe ainda uma grande procura por testes, porém acreditamos que esse tipo de avaliação somente adquire consistência quando integrado a um processo mais amplo de orientação vocacional, hoje chamado de orientação profissional.

A Voccare tem o propósito de auxiliar o jovem a entrar em contato com os aspectos relacionados à sua vocação a ser um coparticipante do seu processo de escolha profissional.

Acreditamos, portanto, que a orientação vocacional seja um trabalho de pesquisa interna, subjetiva, que procura promover o autoconhecimento e deve caminhar de mãos dadas com o trabalho de pesquisa da realidade objetiva. Nesse sentido, não realizamos apenas testes.

MATURIDADE E ESCOLHA PROFISSIONAL

por Simone Andrade

A adolescência é o período em que se constrói a identidade e várias mudanças ocorrem. O corpo se transforma, a família deixa de ser a grande referência como um modelo de identificação. É o momento em que os grupos ganham força na vida do jovem. A palavra do adulto ou da figura de autoridade muitas vezes é desconsiderada, porque o adolescente opõe – se a mesma assim, esse é um período turbulento, onde existem muitos conflitos e discordâncias nas famílias.

No entanto, esse é um processo necessário para que haja a construção de identidade. Neste cenário de transformação chega a hora em que o adolescente tem que fazer uma escolha profissional. Mas o jovem estaria maduro para esta escolha aos 17/18 anos? Como podemos avaliar a maturidade?

A maturidade pode ser desenvolvida por algumas atitudes. Por exemplo, o envolvimento em relação ao seu próprio processo, sua autonomia na sua escolha, permeado pelo conhecimento das informações profissões, entretanto o que possibilita o amadurecimento é o nível de autoconhecimento.

Esse é o maior desafio a ser percorrido em todas as etapas de desenvolvimento e quando ocorre esse despertar no jovem para esta jornada de autodescobertas há uma possibilidade de uma escolha mais consciente e assertiva que sintoniza com o que chamamos de vocação. Esse seria o objetivo principal da orientação vocacional.

SIMONE ANDRADE
Psicóloga e Educadora
simone50@terra.com.br
www.voccare.com.br

VOCÊ TEM CLAREZA DE PROPÓSITOS EM SEU CAMINHAR?

por Suely A. Marqueis

Esta reflexão me fez recordar alguns ensinamentos da Dra. Vera Saldanha, autora da abordagem integrativa transpessoal, sobre a comunicação transpessoal, quando diz que “vivemos atualmente em uma cultura que estimula o tempo todo o fazer e o ter, criando muitas vezes a ilusão que este fazer e ter nos trará todas as respostas, bem como a suprema felicidade”. Ela sinaliza também, que desta forma, intensificamos os mecanismos do ego, alimentamos a auto imagem, facilitando o controle egóico, aprisionando o Ser que É, nas memórias do Ser que está.

Para identificar se o que fazemos está de acordo com o que pensamos, sentimos ou imaginamos para nós e para nossa vida é imprescindível estabelecer um diálogo honesto para iluminar alguns pontos em relação ao que queremos de verdade, o que podemos na realidade, assim como, ter consciência dos inúmeros potenciais que possuímos. Para isso é preciso muita coragem e principalmente uma boa comunicação com nosso mundo interior e exterior.

Maslow, um dos precursores da psicologia transpessoal, dizia que “possuímos uma condição de auto atualização”, isto é, possuímos a capacidade de harmonizar os potencias internos do nosso ser, com aquilo que estamos vivenciando externamente e desta forma expressar nossa natureza mais genuína e essencial. Mas, para isso é necessário um profundo silêncio... Segundo Maslow, “você não pode escolher com sabedoria a vida, a menos que se atreva a ouvir-se, a si próprio em cada momento da vida”

Ao refletir sobre esse tema muitas coincidências aconteceram, ou como diria Jung – sincronicidades. Uma delas foi que me deparei com uma mensagem gentilmente enviada por uma amiga, e vale a pena dizer que, quando estamos envolvidos com uma boa pergunta, de alguma forma tudo nos ensina, toca e sinaliza com uma resposta. Desta vez a mensagem, cuja autoria desconheço, convidava a uma reflexão sobre essa questão de congruência em nossa vida, por este motivo, gostaria de reproduzi-la aqui como proposta de autoconhecimento que acredito ajudará muito, mas antes, vá para um lugar tranquilo onde possa estabelecer um contato e diálogo profundo com o seu Ser, em posição confortável respire profundamente várias vezes e convide o seu Mestre interior a acompanhá-la (o) e responder, senão todas, pelo menos algumas destas perguntas. Tenha papel e lápis à mão e bom trabalho! Perceba se alguma ideia te tocou de forma especial, reflita a respeito e pergunte-se qual a relação dela com o seu atual momento de vida?

“Penso o que falo? Falo o que penso? Os pensamentos que tenho estão satisfatórios para aquilo que quero manifestar em minha vida? Está claro o que desejo manifestar? Meus sonhos, anseios ou objetivos estão claros para mim? Quais são minhas metas a curto, médio e longo prazo?

Se eu pegar uma folha de papel e uma caneta eu consigo desenhar ou escrever o que desejo para mim, para minha vida e para minha experiência? Então eu pergunto de novo a mim mesma(o)... Quais são as minhas metas, e não apenas em uma única área. Eu me permito pensar grande ou isso soa estranho para mim? E meus sentimentos estão de acordo com meus pensamentos? Minhas atitudes estão também sendo congruentes com os outros planos ou esferas de atuação, os pensamentos, os sentimentos, e as palavras?

Se for muito difícil analisar tudo isso ou responder todas essas perguntas, apenas deixo-as de lado para responder num momento mais propício, mas não as perca de vista.

Se não posso fazer o ideal, faço o possível, mas não perco o ideal de vista. O Ideal sendo o sonho ou os sonhos. Quais são meus maiores sonhos?

Se eu tivesse dinheiro em abundância plena, se não houvesse nenhum empecilho em minha vida, de qualquer natureza, o que eu faria? Quais seriam as minhas ações? Se hoje ganhasse na loteria e tivesse total liberdade financeira para fazer o que eu desejasse, quais seriam as minhas ações? Muitos podem já gozar dessa plenitude, que é um dos maiores impeditivos segundo a razão da maioria das pessoas, portanto não se apegue ao que foi dito, apenas fique com a intenção e a energia positiva que está sendo depositada nessa proposta.

O importante é o sentimento que ela gera de possibilidades, o importante é saber que quem tudo faz é o Espírito que habita a matéria. Tudo vem do Ser!

Outra coisa importante é saber que muito do que você pode desejar, você pode realizar. A mesma “Fonte” que lhe conferiu a capacidade de idealizar é a mesma fonte que lhe permite acapacidade de realizar.

O Exercício é para mostrar que muitas vezes, não é falta de dinheiro ou possibilidades de realização que temos. É falta de clareza e propósito! É a falta de desejo claro e bem dirigido!”

Espero ter contribuído com o autoconhecimento, clareza e propósitos em seu caminho! Gratidão! NOV/14

SUELY A. MARQUEIS
Terapeuta Integrativa Transpessoal e orientadora profissional
vocaresua@gmail.com
www.voccare.com.br

COMO ESCOLHER DIANTE DE TANTAS PROFISSÕES?

por Suely A. Marqueis

Muitos jovens atualmente apresentam muitas dificuldades em escolher uma profissão diante do vasto leque de possibilidades oferecidas pelas universidades, para fazer uma boa escolha é necessário pesquisar muito, pois a diversidade cresce a cada dia. O número de profissões catalogadas em 2012 pelo Guia do Estudante (Editora Abril) era de 219 profissões, em 2013 havia subido para 245 e em 2015 para 265 profissões.

Surge um questionamento – será que esse jovem tem maturidade para escolher tão cedo uma profissão diante de tantas possibilidades? Um artigo escrito pelo Profº Silvio Bock aborda três pontos importantes em relação a esse assunto, o primeiro seria o fato de que o fenômeno da escolha é um atributo humano, o segundo da insegurança, pois uma escolha pode ou não dar certo, portanto não existe escolha segura. O terceiro seria o drama da perda, pois ao escolher uma possibilidade, se perde a outra. Ele conclui que escolher é um ato de coragem!

Como então ajudar o jovem que se encontra diante do dilema da escolha profissional?

Um processo de orientação vocacional pode ser de grande valia, pois utiliza técnicas de autoconhecimento aliadas a um trabalho de pesquisa que compara, descobre, amplia e pode adequar as inúmeras possibilidades e campos de atuação à vocação. Segundo Jung ,“existe uma inteligência no inconsciente e essa inteligência, ou sabedoria interna, provém do Self, e procura nos conduzir sempre em direção à realização total da personalidade, é o processo de individuação”. Dentro dessa perspectiva da Teoria Psicológica Analítica é possível concluir que buscamos essa sabedoria inconsciente sempre pronta a se manifestar, cabe, portanto a um processo de orientação vocacional estabelecer uma ponte entre o inconsciente e o individuo. Compreender a conturbada fase da adolescência e em outras palavras, o delicado momento de construir a sua identidade, desafiadoramente também cabe a um processo aprofundar aspectos de autoconhecimento dessa obra ainda em construção, contemplar possíveis influências internas e externas, respeitar a maturidade individual, discutir aspectos e desafios da atual realidade profissional, social, educacional e tantas outras coisas. Mas, acima de tudo cabe a um processo de orientação vocacional auxiliar o jovem a escutar o seu “vocare”, o seu chamado interno mais genuíno, para que possa escolher o seu próprio caminho, mesmo diante de infinitas possibilidades.

SUELY A. MARQUEIS
Terapeuta Integrativa Transpessoal e orientadora profissional
vocaresua@gmail.com
www.voccare.com.br